Ex-advogada da Lava Jato se diz ameaçada por membros de CPI e encerra a carreira

A ex-advogada de novo delatores da Operação Lava Jato, Beatriz Catta Preta, afirmou que vai deixar a profissão de receber “ameaças veladas” de integrantes da CPI da Petrobras na Câmara. A afirmação foi feita em entrevista exibida nesta quinta-feira (30) no Jornal Nacional. Beatriz disse ainda que um de seus clientes, o empresário Júlio Camargo, tinha “medo de chegar” ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha, com suas delações.

Beatriz foi convocada para depor na CPI e preferiu deixar os casos ligados à Lava Jato no último dia 22. Ela não citou nomes de quem estaria fazendo as ameaças.

Beatriz Catta Preta (Foto: AFP)

A advogada passou mais de um mês com a família nos EUA e finalmente está de volta ao Brasil. Ela disse que não precisa se esconder de ninguém. A viagem foi somente de férias, garante a advogada, e nunca uma fuga. “Nunca cogitei sair do país, ou fugir do país como está sendo dito na imprensa”, afirmou.

Catta Preta é advogada criminal há 18 anos. Mas agora, por segurança, está deixando a advocacia. “Depois de tudo que está acontecendo, e por zelar pela segurança da minha família, dos meus filhos, eu decidi encerrar a minha carreira na advocacia. Eu fechei o escritório”, disse. Perguntada se recebeu ameaças de morte, ela esclarece: “Não recebi ameaças de morte, não recebi ameaças diretas, mas elas vêm de forma velada. Elas vêm cifradas”.

Segundo Beatriz, a pressão aumentou depois que Camargo mudou o depoimento e passou a envolver o presidente da Câmara em sua delação. “Aumentou essa tentativa de intimidação a mim e minha família”. A advogada disse sentir pressionada e intimidada – para ela, ações que vêm dos “integrantes da CPI, daqueles que votaram a favor da minha convocação”. Ela não quis responder se isso incluía o presidente da Câmara Eduardo Cunha.

A advogada negou ter ganhado mais de R$ 20 milhões com os casos da Lava Jato. “Esse número é absurdo. Não chega perto da metade disso”, garante.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) tenta evitar que Beatriz tenha que comparecer à CPI. Caso contrário, ela diz que vai comparecer e se manter calada. “Se eu tiver que ir a CPI, infelizmente tudo o que eu vou poder dizer a eles é que eu mantenho o sigilo profissional e não vou revelar nenhum dado que esteja protegido por sigilo”.

*Correio da Bahia

Anúncios

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s